quinta-feira, 16 de julho de 2015

Da sua filha


ela me abraçava
me protegia
e guardava
o meu corpo
com o dela

foi a minha primeira casa
e me amou quando
ainda nem me conhecia
enquanto eu já conhecia ela

antes de saber seu nome
já sabia o que era amor
e no começo até achava
que só nós existia

o seu colo
era alimento, dengo e sono
e não era preciso mais nada
que não fosse essa sensação de paz

a melhor cantiga a voz dela
que me embalava na rede
e cuidava pra me fazer dormir

...

com o tempo fui crescendo
e ela ganhou um nome
que comecei a falar
depois descobri
que ainda tinha outro
até com sobrenome

seu colo cada vez mais
fui sentindo menos
e a paz que sentia
também começou a diminuir

e pra chamar a atenção dela
chorava em forma de protesto
comia os seus batons
emburrava
jogava os brinquedos
paralisava
e enchia as bochechas
com a máxima quantidade de ar
possível para um ser humano pequeno
como quem diz
- ei, por favor estou aqui

até que fui aos poucos
me acostumando
a viver menos com ela
e me interessar por outras coisas
o resto da família
cachorro, escola, amigos
e as outras de cada idade

é engraçado como que pra crescer
a gente tem que ir deixando
algumas coisas importantes
mesmo sentindo falta delas
todos os dias


segunda-feira, 13 de abril de 2015

Marejada

preciso de arruda, banho de cheiro, sal grosso, talismã, água de sol, terapia de pedra ou divindade. borra de café, mão de cigana, cachoeira, trevo da sorte, muiraquitã ou gato chinês. olho grego, pentagrama, ferradura, pé de coelho, mandala, chamsa, figa ou pirâmide. sapo chinês, elefante, estrela de davi, coruja ou oração de areia de mar. se tivesse só o cheiro de mar já podia abraçar os ventos mais frescos e transformar o sal em doce.

sexta-feira, 10 de abril de 2015

Roda da fortuna

que venham
as palavras
e seus
movimentos
líquidas
correntes
pulsantes
que elas
jorrem
doçuras
de suas
curvas
e caminhos
mais sinuosos
e que com
sua força
transforme
a vida
e se
renove



quarta-feira, 8 de abril de 2015